terça-feira, 27 de dezembro de 2011

Uma breve reflexão sobre dízimos e ofertas nas Igrejas Brasileiras

Uma breve reflexão sobre dízimos e ofertas nas Igrejas Brasileiras




por Daniel Innocente



Guardar-dinheiro-como.jpg (564×480)

Hoje, "Dízimos e Ofertas" é conforme o Novo Testamento, quando Paulo dá os princípios da contribuição solidária, voluntária, amorosa e alegre e não para a Casa do Tesouro (Mal. 3:10), hoje na GRAÇA não existe mais tal ordenança, pois afinal não somos o Templo de Jerusalém e nem somos tributados para mantê-lo já que não somos judeus pós-exílio.

Israel era uma teocracia, os sacerdotes Levíticos atuavam como um governo civil. Assim, o dízimo Levítico (Levítico 27:30-33) foi um percussor do imposto de renda de hoje, visto que era um segundo dízimo anual requerido por Deus para suprir uma festa nacional (Deuteronômio 14:22-29). Taxas menores foram também impostas ao povo pela lei (Levítico 19:9-10; Êxodo 23:10-11). Assim, a doação total requerida dos Israelitas não era 10 por cento, mas mais do que 20 por cento. Todo esse dinheiro era usado para colocar a nação em funcionamento. 

Hoje o Templo (Igreja, casa de Deus, ou seja lá o que for) é o Ser Humano.
Não fazemos distinção entre dízimos e ofertas, pois ambos são ações voluntárias baseadas em auto-compromisso com a fé generosa.

A sua contribuição também pode ser direcionada aos orfãos e as viúvas e a todos os necessitados… 

O foco é dar sempre prioridade à gente e não à coisas.


Se o dízimo levítico fosse de fato adotado pelas igrejas evangélicas, a cada 3 anos não deveria ser recolhido no Templo e sim distribuído entre os pobres da terra, como manda o Pentateuco, neste ponto ninguém percebe né?!?

O dízimo não pode enriquecer a Igreja/Instituição e MUITO menos seus pastores, (mostre algum pastor rico nas escrituras) o salário do trabalhador da obra missionária era o sustento BÁSICO (viagem, alimentação e hospedagem quando necessária).

ESSA RIQUEZA DOS PASTORES EVANGÉLICOS NÃO EXISTE BASE BÍBLICA NEO TESTAMENTÁRIA.

O dinheiro que chega numa comunidade deve ser "desperdiçado" na direção da obra de Deus na terra, que é o Ser Humano!

O amor ao dinheiro é a raiz de todos os males e tais 'apóstolos' e 'pastores' da ganância enganam com falsas promessas de que você poderá receber de volta "uma benção tal" de Deus por dar o dízimo fielmente…

…aí que o povo se enreda nesta mentira milenar.

Hoje, na Graça, é recomendado ofertar somente aos que ajudam pessoas necessitadas e trabalhos sociais sérios, e quem faz este ato, deve fazer isso com alegria e amor, você não é obrigado a nada!

Muito menos dar o dízimo, pois depois da morte de Cristo a lei de Moisés foi abolida.

Os versículos no Novo Testamento (MT 23:23 e Hebreus 7:8) não justificam o dízimo nos nossos dias.

Mt 23:23 – Jesus Cristo estava vivo e ainda sobre vigência da Lei de Moisés (e neste contexto) conversava com os mestres da Lei, (Fariseus).
Jesus recomenda praticar os seus próprios costumes e afirma o que era mais importante (misericórdia, justiça)

Depois da sua morte e ressureição é estabelecido o Novo Testamento. Neste contexto de MT 23:23 ainda era o Velho Testamento!

O texto diz: "Ai de vós, escribas e fariseus, hipócritas! pois que dizimais a hortelã, o endro e o cominho, e desprezais o mais importante da lei, o juízo, a misericórdia e a fé; deveis, porém, fazer estas coisas, e não omitir aquelas."
Este texto que é a "fonte" dos líderes mal intencionados não é base para validar o dízimo nos dias da GRAÇA.

Se assim fosse o próprio Jesus estaria se contradizendo na parábola do fariseu e do publicano. Um era "dizimista" e dizia ser justo, o outro não dizimista, publicano, pediu misericórdia pelos seus pecados, e quem saiu justicado? – O publicano!

Não leve a escritura ao pé da letra e sim no Espírito de Vida que é se harmonizar com o ser humano para sua liberdade e crescimento em fé!

Hebres 7:8 o Autor da carta faz uma analogia com o passado, se você ler o contexto entenderá melhor…
Alguns defendem o dízimo dizendo que era antes da Lei.

Ok, mas eai?

Pouco importa, pois o que vale é a recomendação de Jesus e seus apóstolos, leia II Cor. 9.

A questão é que sua voluntariedade pode ultrapassar os 10% da Lei, na GRAÇA podemos nos doar sem limites, mas o mais importante é que seja com amor e alegria, "Ainda que eu dê aos pobres tudo o que possuo e entregue o meu corpo para ser queimado, se não tiver amor, nada disso me valerá." I Coríntios 13.3

Deus abençoe!

Daniel Innocente
-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
**** Deixando bem claro, queridos, que este texto ñ faz apologia para você não ajudar a instituição da qual vc se beneficia espiritualmente, pelo contrário, devemos ajudar, sim, afinal, somos abençoados na congregação que estamos, agora, o que o texto quer focar é as mentiras que são contadas nos púlpitos e muitos são enganados pq nunca buscaram sobre esse tema. Na hora da oferta, alguns líderes fazem Deus parecer mais com Satanás do que com Ele mesmo. ACEITE: Deus não vai te matar se você não dizimar, não vai acabar com seus bens, ñ vai confiscar sua poupança se você ajudar alguém que precisa com seu dízimo....

Quer dar o dízimo? Faça por amor, não por medo. Faça por consciência que o lugar que te beneficia espiritualmente precisa permanecer aberto...

Mas antes de você congregar em alguma igreja, procure saber:

1 - Qual a declaração de fé da instituição?
2 - Qual a centralidade das pregações?
3 - O livro dos gastos da sua igreja é aberto para todos verem para onde vai os dízimos e ofertas?
4 - É publicado quanto seu pastor(a) ganha?
5 - A igreja tem obra social?
6 - Quanto dos dízimos e ofertas vai para obra social?
7 - O momento da oferta é mais demorado que o da palavra?
8 - Na hora da oferta falam que se vc ñ der o dízimo o devorador vem e Deus permite que tire tudo de você?
9 - A igreja faz obra missionária?
10 - Pessoas de posses são tratadas diferencialmente das com menos posses?
11 - Qualquer um pode pregar/ensinar?

**** Observação minha

Shalom. Adonai.
 ·  · 

1 bereianos:

Jacintho-Judo disse...

Hoje a doutrina de dízimos é defendida pela maioria das igrejas, seja voluntário ou obrigatório. Porém, os dízimos eclesiásticos foram inventados pela igreja católica, e não foi usado só para obra da igreja. Guerras e a inquisição foram patrocinados pelos dízimos. Os dízimos católicos imitavam os do Antigo Testamento; cobravam dos produtores agropecuários, com alguns abusos. Um estudo bem detalhado com textos em português e espanhol sobre o assunto está disponível no site Slide share: Entrevista sobre o pagamento de dízimos no Antigo Testamento, na igreja católica, e nas igrejas evangélicas. Acesse e conheça um estudo que trata desta parte dos dízimos desconhecida da maioria de católicos e evangélicos e as pessoas em geral. Autores de livros sobre o assunto desconhecem ou omitiram os dízimos católicos cobrados dos agropecuarista durante mais de mil anos que teve inicio no século IV como voluntários para ajudar a renda da igreja, ganhou impulso nos séculos seguintes até se tornar obrigatório no VIII e força total inicio do XII, quando começaram as cruzadas que foram patrocinadas pelos dízimos. Essas e outras revelações sobre os dízimos você encontrará nesse estudo. Confira com atenção os texto históricos e veremos que o mundo tem memória custa,mas fatos históricos podem nos ajudar a chegar ao conhecimento da verdade.

Postar um comentário