terça-feira, 25 de novembro de 2008

O maior grupo radical hindu da Índia pretende eliminar o cristianismo com reconversões e violência


24/11/2008 - 15:27 por Vijay Simha 

Desnascidos de novo!

O maior grupo radical hindu da Índia pretende eliminar o cristianismo com reconversões e violência.


Laba Digal, 50, fica sentado remendando pneus de bicicletas e triciclos perto de Kasinipada, um vilarejo da Índia que presenciou a maior violência anticristã deste o outono. Digal diz que ele era cristão até Setembro, quando um oficial local do grupo radical hindu Rashtriya Swayamsevak Sangh (RSS) veio falar com ele duas vezes.

“Ele me disse para me tornar hindu. Disse que se eu não fizesse isso, perderia minha casa. Disse que eu não poderia morar no vilarejo sendo um cristão. Eu não queria problemas. Então aceitei”, disse Digal.

Agora como um hindu, Digal diz que conseguirá um certificado do governo declarando que ele é um Dalit. Esse certificado o qualificará para outros benefícios, como trabalhos do governo reservados aos Dalits.

O RSS tem reconvertido pessoas ao hinduísmo, como Digal – geralmente do cristianismo –, por mais de uma década. A campanha de reconversão é chamada “de volta ao lar”. É bem organizada e tem oficiais distribuídos em quase todas as partes da Índia.

O RSS tem grupos que usam propaganda e grupos que usam violência. Os grupos encarregados da tarefa de levar a mensagem com palavras comandam encontros em que denunciam a igreja como sendo o inimigo. Acompanham tudo com avisos de que os cristãos devem se reconverter ao hinduísmo ou morrer. O exército RSS encarregado da força segue com ataques.

Uma lei de 1967 em Orissa proíbe conversões religiosas pelo uso da força e por meio de indução ou violência. A lei diz que o oficial da administração distrital deve permitir toda conversão. O RSS diz que, apesar da lei, poucos convertidos ao cristianismo em Orissa obtiveram sanção legal, embora o número de cristãos no Estado esteja crescendo rapidamente.

No dia 25 de Setembro deste ano, Vidyaram Pandey, oficial de uma divisão do RSS em Uttar Pradesh, fez uma denúncia de que o RSS havia reconvertido 50 mil cristãos até então, em todo o Estado, o maior da Índia. Acrescentou ainda que o RSS expulsaria todos os pastores de Uttar Pradesh em cinco anos.

A declaração de Pandey dá um vislumbre do cronograma estabelecido pelo RSS para sua investida contra os cristãos na Índia. A organização foi fundada em 1925 e agora já tem aproximadamente 30 divisões, incluindo o Bharatiya Janata, principal partido político de direita da Índia.

Organizações como a Vishwa Hindu Parishad e a Bajrang Dal, um conjunto de jovens radicais hindus armados, atingiram os cristãos nos Estados de Orissa, Karnataka, Tâmil Nadu, Delhi, Jharkhand, Chhattisgarh, Madhya Pradesh e Rajasthan. A Bajrang Dal raramente atinge os convertidos ricos. Os cristãos pobres são alertados para que se reconvertam, senão perderão vidas e propriedades. Para sobreviver, eles se reconvertem.

O RSS chega a realizar uma cerimônia de reconversão a cada quinze dias. Uma reunião típica de reconversão dura aproximadamente uma hora. Pedem aos cristãos para primeiramente queimarem suas Bíblias numa fogueira. Depois, eles se sentam em círculo, acendem incensos e amarram uma fita vermelha nos pulsos. A pessoa responsável pela cerimônia de reconversão, geralmente um Brahmin, diz uma breve oração hindu. Então, os cristãos se levantam um por vez, declaram que se tornaram hindus e que suas dinastias perecerão caso eles se tornem cristãos novamente. Cada um dos ex-cristãos, agora hindus convertidos, quebra um coco, e os hindus aplicam-lhes um corante vermelho sobre as testas.

O líder canta mantras hindus e os participantes repetem. Ao fim, todos se ajoelham e encostam suas testas sobre o chão. Semanas mais tarde, os reconvertidos participam de um yagya, um ritual hindu em que eles usam roupas em tom amarelo-alaranjado e uma fita sagrada em seus troncos. Raspam suas cabeças e bebem urina de vaca e água de tulsi (espécie de manjericão considerado sagrado pelos hindus).

Em suas novas vidas, os reconvertidos devem criar tulsi em suas casas, ter quadros de deuses hindus sobre suas paredes e celebrar as festas hindus. São orientados a orar somente aos deuses hindus.

Hrudayabasi Dandia, 55, um bispo que reside em Bhubaneswar, capital do Estado de Orissa, relata o caso de Madhusudan Das, um dos primeiros advogados de Orissa. Um dia de 1866, “Das queria continuar seus estudos fora do país. Ele achou que um apoio missionário ajudaria. Então, ele se converteu ao cristianismo”, disse Dandia.

Das é uma figura notável na história de Orissa. Ele mudou sua opinião sobre o cristianismo depois de retornar da Inglaterra durante um tempo de domínio britânico. Das começou a se opor às conversões cristãs e disse estar fazendo isso para proteger o Templo Jagannath, a instituição hindu mais sagrada de Orissa. Quando Das morreu em 1934, os hindus e cristãos lutaram por seu corpo.

A campanha “de volta ao lar” teve uma virada emergencial e violenta recentemente, especialmente no distrito de Kandhamal, em Orissa, que testemunhou uma enchente de violência anticristã. Quase um quarto da população de Kandhamal é cristã, de acordo com o juiz distrital. Isto é quase três vezes o percentual de cristãos por toda Orissa. O RSS vê isto como evidência de uma campanha hostil feita pela igreja para converter os hindus ao cristianismo e geralmente atribui as conversões às ofertas de prosperidade feitas pelo cristianismo.

O chefe do RSS K. S. Sudarshan usou o discurso de Vijaya Dashami em 5 de Outubro de 2008 para declarar sua linha de conduta. O discurso de Vijaya Dashami feito pelo chefe do RSS é um evento anual e sua pauta política é a mais importante desta fraternidade de direita na Índia.

“É chegada a hora de acordar a sociedade hindu para mudar sua imagem de dócil e de estar sempre propensa a ser ridicularizada e atacada pelos outros... Aqueles que dizem que ‘só o nosso jeito é o verdadeiro e todos os outros são falsos’ não podem fazer parte de uma sociedade hindu. Aqueles que se entregam a um proselitismo pela força, indução ou violência não fazem parte da vida desta nação”, disse Sudarsham.

O RSS também se opõe aos ensinos cristãos. O perdão por meio de Jesus Cristo é uma perspectiva apelativa para os muitos Dalits que cresceram ouvindo narrativas sobre vingança de deuses hindus.

O RSS acredita que os grupos cristãos na Índia recebem grande quantia de dinheiro estrangeiro que seria usada para converter os hindus ao cristianismo. Isto seria uma estratégia para “desintegrar” a Índia, disse Sudarshan. O RSS diz que desde o reinado britânico, o suporte político e financeiro americano tem alimentado os missionários cristãos na Índia. Para eles, a igreja é a reencarnação da East India Company. Estas acusações foram aceitas como verdade pelos seguidores do RSS.

O RSS também ensina que os partidos políticos contrários à direita na Índia seguem uma política de apaziguamento com relação aos cristãos e que eles culpam a comunidade hindu – não a comunidade cristã – pela tensão pública.

A campanha para reconverter cristãos ao hinduísmo é parte de uma grande estratégia do RSS para converter a Índia, uma nação secular, a uma nação hindu. Os acontecimentos em Orissa são apenas o começo.

Vijay Simha é editor sênior da Tehelka, uma revista investigativa líder na Índia. Ele trabalha em Nova Delhi e escreve sobre política, religião e artigos políticos que afetam a vida na Índia.

Copyright © 2008 Christianity Today International.


0 bereianos:

Postar um comentário