segunda-feira, 22 de setembro de 2008

Não voto em “pastores”


domingo, 21 de setembro de 2008

Não voto em "pastores"
José Barbosa Junior

[...] Bem, sou a favor de cristãos no processo político, mas não de pastores, e por isso decidi escrever esse artigo.

Não voto em "pastores" porque são COVARDES! Alguém que abraça o ministério e quer buscar algo fora dele é covarde! (Lc 9.62) Não há outra palavra! É alguém que não confia no Deus que o chamou (se é que foi chamado) para suprir-lhe as necessidades e para executar através da pregação; a mais maravilhosa mudança que qualquer país pode ver, a mudança de um ser desgraçadamente perdido em alguém surpreendentemente salvo pela graça. Mas isso já foi esquecido há muito tempo...

Queremos templos cheios e bolsos também... Se estar lá (no poder) vai me dar "melhores" chances de "pregar o evangelho" é isso que eu quero... Concessões de rádio... de TVs, etc. Nem que para isso eu tenha que votar em projetos que achatem o povo em vis salários, que oprimam o direito do trabalhador, e tudo mais.

(*
Vemos muitos escândalos e desvio de ética cometido por pastores. Por exemplo, o Deputado Federal Pastor Lincoln Portela (MG) votou "Sim" a criação da nova CPMF, rebatizada de Contribuição Social para Saúde. Veja:
http://www.estadao.com.br/nacional/not_nac187904,0.htm)


Tenham coragem! Abandonem seus ministérios e se corrompam de vez, pastores que só apascentam a si mesmos! (Jd 1.11, 12)Encham o bolso de dinheiro e percam de vez a sua alma! Renunciem ao chamado e assumam que o poder humano é mais atraente que a pregação do verdadeiro evangelho e o apascentar de suas ovelhas. Ovelhas essas já abandonadas por causa de sua ganância pelo poder terreal. (Sl 44.22; Rm 8.36)

Não voto em "pastores" porque USAM DE UM DOM DIVINO PARA ALCANÇAREM FAVOR HUMANO!Como assim? Pensem comigo, pastor não é título é dom, e dom é dado por Deus para a edificação da IGREJA, não do CONGRESSO ou do SENADO ou das ASSEMBLÉIAS LEGISLATIVAS... Portanto ao utilizarem o "título" de pastor para alavancarem suas campanhas agem em desacordo com a Palavra de Deus, que diz que o dom é para a edificação da IGREJA.

Imaginem uma campanha assim: FULANO de TAL, esse fala em línguas! ou BELTRANO, o PROFETA! ou ainda SICRANO DA SILVA, o que discerne espíritos! Ora, seria uma aberração! Pois não é diferente no caso dos pastores. Só que por nossa falta de conhecimento da Palavra acabamos deixando pastor virar título sem nenhum compromisso com o dom. (Ef 4.11, 12). Pastor tem que ser pastor na igreja, para a igreja, e pela igreja, para a edificação do corpo, para qual os dons são distribuídos.

Finalmente, não voto em pastores porque OS AMO e gostaria de vê-los cumprindo aquilo para o qual foram chamados. Há um poema evangélico sobre pastores que diz:

"fostes chamado
para uma tão nobre missão,
que nem aos anjos
foi dada executá-la"


Pastores, acordem! Vocês tem uma obra muito maior que a política. Não desçam de onde estão, não queiram ser rebaixados a deputados, senadores, etc. Cumpram com zelo e amor o ministério para o qual o próprio Deus os chamou. (Tm 4.5). Se não são chamados por Deus, arrependam-se, assumam seus erros, abandonem o ministério e aí sim, abracem a carreira que quiserem, mas não queiram fazer do dom de Deus trampolim para suas aventuras carnais, humanas. Vocês até podem pensar que isso é o que Deus colocou em seus corações, mas "ENGANOSO É O CORAÇÃO..." (Jr 17.9)

Igreja, nós os que vamos votar, tenhamos misericórdia dos "pastores" candidatos, e não votemos neles! Oremos para que despertem para o seu ministério novamente e oremos também para que Deus levante homens e mulheres, comprometidos com o Reino e com o povo para fazerem diferença no nosso cenário político.

Com muito carinho, de alguém apaixonado por política, mas que tem como grande amor o evangelho;

José Barbosa Junior.


(Extraído do site: www.crerepensar.com.br)

*Esta nota não faz parte do texto original de José Barbosa Junior. Foi acrescida como exemplo da indiferença de líderes eclesiásticos com a expectativa de seus eleitores em representá-los.

A campanha eleitoral: Raiz de todos os males Paul Freston

O cristão e a política Márcio Nogueira

O poder inebriante da política João A. de Souza Filho

0 bereianos:

Postar um comentário