sexta-feira, 30 de agosto de 2013

MILEY CYRUS: A INOCÊNCIA E A INTEGRIDADE TORNANDO-SE LIXO

VMA 2013: A Apresentação Chocante de Miley Cyrus e a Nova Persona de Lady Gaga


"
Miley é apenas um fantoche e precisamos olhar para aqueles que estão puxando as cordas. Nós também precisamos olhar para aqueles estão fazendo isso com pessoas como Miley Cyrus e, especialmente, com a nossa juventude em geral.

Não se trata de uma única garota que perdeu seus modos, trata-se de um sistema que faz os jovens perderem o seu caminho
"


A edição de 2013 do VMA não foi sobre música. Não foi nem mesmo sobre o simbolismo que eu descrevi nos últimos anos. O evento todo foi basicamente a MTV dizendo: "Não há nada para comemorar na música pop neste ano, então aqui está apenas uma apresentação bizarra de tudo que há de errado na indústria do entretenimento".

Escrevi extensos artigos sobre as premiações VMA anteriores, porque elas estavam cheias de simbolismo e mensagens ocultas. Neste ano, nem tanto. Tratava-se de promover grandes artistas e seus mais recentes álbuns. Mas, principalmente,o show foi sobre fazer acontecer um momento "chocante" que faria os meios de comunicação falar sobre isso sem parar por dias. Miley Cyrus fez isso acontecer.

Miley Cyrus: A Escrava da Indústria Escolhida Dessa Vez

A performance de Miley Cyrus no VMA foi qualificada por muitos como um "lixo" e "vergonhosa". Foi realmente uma visão estranha de se ver. Era como se ela estivesse fazendo isso de propósito para envergonhar-se. Bem, aqui está um momento de clareza: realmente sua apresentação foi feita de propósito e, ainda mais, foi tudo encenado. As pessoas que comentam sobre Miley Cyrus parecem esquecer um enorme detalhe: Há uma enorme máquina de marketing por trás de Miley Cyrus e sempre existiu. 

  A imagem de Miley foi muito comercializada pela Disney desde os 
dias em que ela assumiu o papel de Hannah Montana - uma menina 
que (apropriadamente) teve uma alter persona de palco, com uma peruca
 diferente. Os produtos de Hannah Montana muitas vezes continham 
borboletas neles, um lembrete de como ela era uma 
escrava de programação Disney. 

Miley assinou agora contrato com a Hollywood Records, uma gravadora que foi fundada por Michael Eisgner, um empresário da Disney. Portanto, apesar das aparências, Miley e sua imagem ainda são de propriedade da Disney. A Hollywood Records também possui outras estrelas "infantis" como Demi Lovato, Selena Gomez e os Jonas Brothers. Cada artista dessa gravadora teve uma imagem cuidadosamente elaborada para ser comercializada ao seu público-alvo. 

Como um produto de programação Mickey Mouse, Miley passou por um clássico tratamento "boa menina tornando-se má". De uma menina boazinha, filhinha de papai saudável, Miley se transformou em uma aberração sexual que vive mostrando a língua e fazendo careta sem motivo. Enquanto a maioria das pessoas provavelmente estão desaprovando o comportamento de Miley, eles não percebem que essa coisa toda coincidiu com o lançamento de seu novo álbum - e que tudo foi ordenado por seus manipuladores. Em outras palavras, ela foi selecionada e programada para ser o exemplo principal deste ano de uma "boa garota se tornando má", um processo que a elite oculta quer que o público testemunhe constantemente. Eles querem que as massas vejam a inocência e a integridade se degradando e se tornando um lixo. Eles querem que a cultura pop e os jovens em geral sigam o mesmo processo. Enquanto a alquimia é a respeito de transformar pedra em ouro, as massas estão testemunhando o processo oposto. 

A apresentação no VMA de Miley é sobre uma estrela infantil que era amada por milhões de jovens, mostrando o que a indústria tem feito para ela. É sobre quebrar a inocência de seus fãs por ter-lhes testemunhando sua metamorfose em um gigante caricatura obcecada por sexo. Eu estou usando a palavra caricatura porque é seguro dizer que Miley não era 100% ela mesma durante o VMA. Seu comportamento excessivamente sexualizado era característico de uma escrava de programação Beta que estava no modo "on". No entanto, a presentação não foi só sexual, foi feito também (e principalmente) para ser constrangedora a si mesma - como se fosse um ritual humilhante e doentio. Vestida e estilizada para se parecer com uma menina malcriada, pulando com ursos de pelúcia gigantes, a performance de Miley foi sobre provocar uma reação negativa do público, continuando a agenda permanente de sexualizar tudo o que está relacionado com a infância. 

As coisas ficaram ainda mais estranhas quando Robin Thicke entrou para cantar Blurred Lines. Como o próprio nome um tanto estipula, essa música borra a linha entre ser um sedutor e alguém assustador. Seu vídeo tem uma estranha vibe manipulador-escravo, onde Robin, Pharell e TI estão todos bem-vestidos, enquanto as mulheres que dançam em torno deles estão completamente nuas... E eles cantam para elas versos como "Você é um animal".

0 bereianos:

Postar um comentário