segunda-feira, 3 de janeiro de 2011

A latinha da coca-cola

A latinha da coca-cola

por http://edrenekivitz.com

A igreja de Jesus Cristo sempre viveu a tensão entre suas faces orgânica e organizacional. Parece que nos últimos anos essa tensão se agravou. Especialmente no segmento evangélico de tradição reformada, a crítica à "igreja instituição" está na moda, e não são poucos os que se vangloriam de ter "rompido com a instituição". Outro dia alguém me classificou de "institucionalizado", e me senti praticamente xingado. Decidi dar mais atenção à dimensão institucional da igreja corpo vivo de Cristo. Jamais imaginei que fosse levantar minha voz para defender a bandeira institucional, e é bem provável que no início eu estivesse movido pelo instinto de sobrevivência ou auto-justificação, mas ao final achei que meus argumentos faziam sentido. Hoje já não me incomodo quando alguém diz que sou "institucionalizado".

Essa conversa de "ser desinstitucionalizado" na melhor das hipóteses reflete ignorância. Na pior, má fé. Considere a chamada "igreja primitiva", geralmente idealizada como modelo "desinstitucionalizado" a ser reproduzido, e perceba que o desenvolvimento natural da igreja exigiu organização (Atos 6.1-7), nomeação de liderança e acomodação hierárquica (Atos 14.21-23), estabelecimento de normas, costumes e critérios éticos entre as igrejas (Atos 5.1-11), definição de um credo mínimo (Romanos 11.33-36; Filipenses 2.5-11; 1Timóteo 1.17; 3.16), assembléias presbiteriais (Atos 15); ação estratégica para a expansão (Atos 13.1-3; 11.19-21), sistema de arrecadação, gestão e distribuição de recursos financeiros (2Corintios 8,9); ordem e direção litúrgica para os encontros coletivos (1Coríntios 14.26-40), dentre outras características que hoje são consideradas um gesso que impede a boa manifestação do corpo orgânico da igreja.

A tão celebrada "igreja primitiva" era institucionalizada. Caso você participe de um "movimento" que tenha: (1) liderança identificada; (2) hierarquia definida; (3) rotina de atividades; (4) agenda de serviços; (5) voluntários coordenados; (6) demandas coletivas; e (7) necessidade de arrecadação financeira, então você não participa de um movimento, você é institucionalizado.

Os que se consideram "desinstitucionalizados" geralmente são aqueles que romperam com uma instituição e se comprometeram com outra. A diferença é que algumas instituições têm centenas de anos de história enquanto outras nasceram ontem, e quase sempre baseadas em uma personalidade tipo "guru" ou "messias reformador" que levará a igreja de volta às origens. Reconheço que por serem mais novas, as instituições emergentes podem ser mais leves, ágeis e eficazes. Mas não significa que não sejam instituições. E também não significa que sejam menos perniciosas e enfermas que as instituições centenárias.

Jesus advertiu que o vinho carece de odre, e que há odres mais adequados que outros. A questão, portanto, não é ser ou não ser institucionalizado, mas o tipo de instituição que pretende acomodar o vinho novo do Evangelho de Jesus Cristo, nosso Senhor.

Imaginar a possibilidade de uma igreja que seja apenas organismo espiritual sem qualquer dimensão de instituição social é o mesmo que considerar a possibilidade de chegar no balcão da padaria e pedir um refrigerante dizendo: "Sem garrafa, por favor".

O conflito entre as dimensões orgânica e organizacional da igreja começou cedo. Tão logo Jesus foi levado aos céus. No contexto da comunhão e da oração (organismo) Pedro se levanta para promover a eleição do substituto de Judas (organização). Mas Deus não se fez de rogado, mandou do céu algo como um vento impetuoso e deixou claro que a necessidade humana de controle que tende a se perpetuar através de sistemas institucionais jamais conteria a dinâmica vital do povo batizado com o Espírito Santo, pois "o Senhor é Espírito; e onde está o Espírito do Senhor, aí há liberdade" (2Coríntios 3.18).

Essas reflexões me levaram a considerar os dez pecados que um líder institucional não pode cometer. São eles:

1°   Enclausurar Deus nas paredes de sua instituição

2°   Limitar as manifestação do Reino de Deus aos horizontes de sua instituição

3°   Condicionar a relação com Deus à relação com sua instituição

4°   Exigir da igreja povo de Deus sacrifícios em nome de sua instituição

5°   Restringir a atuação ministerial dos cristãos ao engajamento em sua instituição

6°   Confundir a instituição com o corpo vivo de Cristo

7°   Pretender gerir o corpo vivo de Cristo com a lógica da gestão isntitucional – se preferir, basta "pretender gerir o corpo vivo de Cristo"

8°   Priorizar as relações funcionais em detrimento das relações pessoais

9°   Colocar o corpo vivo de Cristo à serviço da instituição

10°   Tentar perenizar a instituição

0 bereianos:

Postar um comentário