terça-feira, 9 de fevereiro de 2010

TEM SABOR DE MEL, TEM SABOR DE MEL

Esse louvor é proibido em minha igreja desde sempre. rs Vejam o pq...

TEM SABOR DE MEL, TEM SABOR DE MEL


A Bíblia Sagrada nos adverte em Provérbios 22.3 que “O avisado vê o mal, e esconde-se; mas os simples passam, e sofrem a pena.” , e ainda “O sábio teme, e desvia-se do mal, mas o tolo encoleriza-se, e dá-se por seguro” Pv 14.16.


Como alguém que tem buscado primar pela doutrina genuinamente cristã, tenho me direcionado para o campo da apologética, uma tarefa no mínimo árdua nos dias de hoje, onde cada vez mais se multiplica as inovações carregadas de heresias dentro de nossos templos.


Esta música Sabor de Mel, muito cantada em nossos cultos evangélicos, está carregada de expressões heréticas e que transmitem sentimentos estranhos à conduta cristã.


Inclusive, já conversei com alguns irmãos que poderiam orientar melhor aqueles que, de forma ingênua, estão cantando estas coisas, além de conversar também com as pessoas responsáveis por colocar músicas com temáticas positivistas e com teor de auto-ajuda, em detrimento de músicas que falem sobre a essência do Evangelho. Infelizmente, muitos preferem insistir no erro, como os versículos de Provérbios citados acima, por razões que não poderiam sobrepujar a primazia da genuína Palavra de Deus.

Mas, quais são as expressões equivocadas encontradas nesta música?


1.      “Vão dizer que você nasceu pra vencer”


Ora, o homem não nasceu pra vencer, ele nasceu pra perder, porque nasceu em pecado {Sl 51.5}, e o salário do pecado é a morte {Rm 6.23}. Se somos vencedores hoje, somos vencedores “... por aquele que nos amou” {Rm 8.37}.

Quando a Bíblia fala sobre o crente vitorioso, sempre associa a nossa luta contra os desejos carnais, o mundo e o diabo {Ef 4.27; 6.12; Tg 4.7; I Jo 2.15-16; 4.4; 5.4}, e a nossa vitória é sempre “... por nosso Senhor Jesus Cristo” {I Co 15.57}, e não por nossa capacidade {II Co 3.5}.


2.    “Que já sabiam por que você tinha mesmo cara de vencedor”.


Uma expressão muito comum nos livros de auto-ajuda. Augusto Cury, um dos escritores mais expressivos desse seguimento, tem alguns livros que reforçam essa idéia. Por exemplo: Você é Insubstituível e Nunca Desista de Seus Sonhos.

Existe um livro intitulado O Segredo das Mentes Vencedoras que, na sua propaganda diz: “O verdadeiro sucesso ocorre em três dimensões (física, mental e espiritual). Qualquer pessoa no mundo é capaz de atingi-lo, desde que se prepare para isso e que acredite que nós, seres humanos, nascemos para vencer”.


Ou seja, está sugerindo que o ser humano pode ser vencedor sozinho, sem a Ajuda do Alto.

3.    “Quem te viu passar na prova e não te ajudou, quando ver você na bênção vão se arrepender”.


A idéia aqui apresentada é de crentes que vivem se engalfinhando. São duas situações: Primeiro - alguns crentes vêem outros passando dificuldades e não fazem nada pra ajudar porque pensam “quero só ver esse crente sofrer”. Segundo - o crente que está passando lutas pode pensar “estou sofrendo e esses irmãos não me ajudam, mas eles vão ver só, quando eu estiver na bênção vão ficar arrependidos”, em outras palavras: “me vinguei”.


Parece que quem canta essa música não conhece as palavras de Jesus “... orai pelos que vos maltratam e vos perseguem” {Mt 5.44}. E as palavras de Paulo “Não vos vingueis a vós mesmos, amados, mas dai lugar à ira, porque está escrito: Minha é a vingança; eu recompensarei, diz o Senhor. {Rm 12.19}.


4.    “Vai estar entre a platéia e você no palco”.


Essa é uma comparação descabida de senso litúrgico do culto cristão. É uma frase que aproxima a liturgia dos cultos a um show. A igreja agora está sendo comparada a um teatro, a uma casa de espetáculo ou coisa parecida, onde existem os artistas que se apresentam e os convidados que com seus ingressos podem assistir ao espetáculo.

O termo “culto” significa adoração ou homenagem à divindade, ou seja, em nosso caso Deus é quem deve ser louvado, honrado e adorado. A estrela do culto cristão é a resplandecente estrela da manhã, Jesus {Ap 22.16}.


5.     “Mas minha vitória hoje tem sabor de mel, tem sabor de mel, tem sabor de mel, a minha vitória hoje tem sabor de mel”



Esse refrão isolado não sugere perigo algum, mas ele está inserido no contexto das demais expressões acima. E a repetição exagerada reforça a idéia de vingança, como se dissesse: “veja meu irmão inimigo {se é que pode}, eu venci, eu venci, veja, me vinguei”.


CONCLUSÃO:



Vamos ter mais cuidado com aquilo que cantamos e ensinamos na Igreja, principalmente aos novos convertidos.


PARA MEDITAR E DESCONTRAIR:


“Achaste mel? come o que te basta; para que porventura não te fartes dele, e o venhas a vomitar.” {Pv 25.16}.

“Comer muito mel não é bom; assim a investigação da própria glória não é glória.” {Pv 25.27}.


Por Cláudio Ananias -  http://claudioananias.blogspot.com

0 bereianos:

Postar um comentário