domingo, 17 de maio de 2009

POEMA | SONETO DE PIPA


SONETO DE PIPA | E a praia linda / É Pipa pra lá, Pipa pra cá / Mas pipa mesmo não se vê /
O azul em sua imensidão / Me levou pra longe / Pra longe levou meu coração / Que encontrei do outro lado /
Um lado desconhecido até então / Se revelou, o que sou / E o que sou / Nem sou / Nem posso ser /
Nem quero ser / Cristo veio me salvar de mim / Cristo veio se colocar em mim / Silêncio, até então. /
Pensar, repensar todos conceitos e pré-conceitos / Tirar, arrancar, marcas profundas do peito /
Meu olhar some e quase que não volta / Ressuscito, respiro e vivo o novo que Deus tem pra mim / (por Juliana Ayres)


0 bereianos:

Postar um comentário