quinta-feira, 24 de janeiro de 2008

Homossexualismo na versão do Rabino Henry Sobel 10

 
Capa — O movimento gay cristão
Homossexualismo na versão do Rabino Henry Sobel
 
A proibição bíblica contra o ato homossexual — "com homem não te deitarás, como se fosse mulher: é abominação" (Lv 18.22) — mantém-se intacta. O que mudou no decorrer dos tempos é que não se aplica mais o castigo de morte por apedrejamento.

Por que a Torá proíbe categoricamente as relações homossexuais? Primeiro por elas serem antinaturais, contrariando a própria anatomia dos sexos, visivelmente concebida para as relações heterossexuais. Além disso, o ato homossexual obviamente não leva à procriação, que é uma das principais funções — embora não a única — da sexualidade humana. Mais ainda, a homossexualidade é uma ameaça à instituição da família, que constitui um dos principais alicerces da continuidade judaica.

É importante, entretanto, fazer uma nítida distinção entre o ato homossexual e o homossexual como ser humano. Sem entrar na polêmica de o ato ser ou não ser uma "perversão", uma "disfunção" ou uma "anomalia", acreditamos que o indivíduo tem de ser aceito pela sociedade, independentemente de suas tendências sexuais serem aprovadas ou condenadas. Aceitar não equivale a justificar ou incentivar. O que se pretende é integrar o homossexual na comunidade e não aliená-lo.

O dever da religião em geral, e do judaísmo em particular, é estender a mão àqueles que se sentem marginalizados, manter a lei e, ao mesmo tempo, mostrar compaixão.

O rabino Henry I. Sobel é presidente do Rabinato da Congregação Israelita Paulista.

1 bereianos:

Unknown disse...

Fico feliz ao saber que o judaismo apesar de alguns "judeus", ainda não perdeu totalmente suas origens, ou seja, respeito a Torah. Judeu que não tem esse respeito sob minha ótica, não é judeu de alma, e não sendo judeu de alma, não é judeu.

Postar um comentário