quinta-feira, 24 de janeiro de 2008

A homossexualidade e o Catecismo da Igreja Católica 9

 
Capa — O movimento gay cristão
A homossexualidade e o Catecismo da Igreja Católica
 
A homossexualidade designa as relações entre homens e mulheres que sentem atração sexual, exclusiva ou predominante, por pessoas do mesmo sexo. A homossexualidade se reveste de formas muito variáveis ao longo dos séculos e das culturas. A sua gênese psíquica continua amplamente inexplicada. Apoiando-se na Sagrada Escritura, que os apresenta como depravações graves, a tradição sempre declarou que "os atos de homossexualidade são intrinsecamente desordenados". São contrários à lei natural. Fecham o ato sexual ao dom da vida. Não procedem de uma complementaridade afetiva e sexual verdadeira. Em caso algum podem ser aprovados.

Um número não negligenciável de homens e de mulheres apresenta tendências homossexuais inatas. Não são eles que escolhem sua condição homossexual; para a maioria, pois, esta constitui uma provação. Devem ser acolhidos com respeito, compaixão e delicadeza. Evitar-se-á para com eles todo sinal de discriminação injusta. Essas pessoas são chamadas a realizar a vontade de Deus na sua vida e, se forem cristãs, a unir ao sacrifício da cruz do Senhor as dificuldades que podem encontrar por causa da sua condição.

As pessoas homossexuais são chamadas à castidade. Pelas virtudes de autodomínio, educadoras da liberdade interior, às vezes pelo apoio de uma amizade desinteressada, pela oração e pela graça sacramental, podem e devem se aproximar, gradual e resolutamente, da perfeição cristã.

(Transcrito com permissão do Catecismo da Igreja Católica, elaborado em seis anos por uma comissão de doze Cardeais e Bispos, presidida pelo Cardeal Joseph Ratzinger, com o auxílio de outra comissão composta de sete Bispos diocesanos, e publicado no Brasil em conjunto pela Editora Vozes e Edições Loyola, em 1993. O texto ocupa os parágrafos 2357 a 2359, nas páginas 610 e 611.)

0 bereianos:

Postar um comentário